Polémica em torno de um túmulo

Na igreja do mosteiro de Odivelas existe uma arca funerária que sempre foi considerada o túmulo de D. Maria Afonso, filha natural do rei D. Dinis.

Ultimamente têm aparecido muitas pessoas interessadas em fazer estudos sobre este mosteiro e algumas têm outra opinião.

Os historiadores que primeiro se dedicaram a estudar o Mosteiro de S. Dinis, afirmam que D. Maria Afonso foi aqui freira e que morreu com cerca de 20 anos. Quanto a quem era sua mãe não dão certezas mas dão opiniões e indicam como provável, D. Branca Lourenço, filha de D. Lourenço de Valadares, senhor da alta nobreza de Riba Douro. Não nos apresentam fontes; dão-nos argumentos. E um dos argumentos é um leão que está representado no brasão do túmulo. O brasão dos Valadares ostenta também um leão e consideram a possibilidade de querer dizer que pertence àquela família a pessoa ali sepultada.

Admiti sempre essa possibilidade, assim como aceitei a afirmação de Borges de Figueiredo, que ela foi aqui freira.

Quanto a ser filha de D. Branca Lourenço, há duas razões que nunca foram consideradas por nenhum historiador, mas que eu considero de importância:

1ª em 1301, D. Dinis doou a vila de Mirandela a esta Senhora. Na carta de doação dizia, entre outras coisas, que “se Deus quiser que eu haja de Vós filho ou filha, que fique a eles a dita vila…”;

2ª entre 1301 e 1319, foi Abadessa deste mosteiro, D. Constança Lourenço, irmã de D. Branca.

O facto de o rei ter escolhido esta Senhora para Abadessa, nessa altura, não me parece por acaso. O facto de ela ter estado aqui, pelo menos, que eu saiba, até 1319, também me parece não ter sido por acaso. É que se diz que D. Maria Afonso morreu com 20 anos. Sem me informarem da fonte onde isso se pode confirmar, eu posso admitir que é “mais ou menos”, que poderia ter 20, mas também poderia ter 18 ou 19 anos. Se a sua mãe foi D. Branca, nasceu depois de 1301. Essa é a única certeza que eu tenho, baseada na carta de doação. Em que ano morreu, não tenho certezas… Posso admitir que a Abadessa D. Constança saiu de Odivelas depois de D. Maria Afonso ter falecido. Mas é só uma possibilidade…

Parece-me lógico que, se era tia, estivesse aqui para olhar pela sobrinha. O rei teria tido esse cuidado. Foi um pai atento.

Não há certezas quanto a quem foi sua mãe, nem quanto ao ano de nascimento e de falecimento. Há probabilidades. E até quanto ao ter sido freira. Nem todas as Senhoras que aqui viveram foram freiras. Havia o estatuto de recolhida e o estatuto de freira.

Alguns historiadores dizem que na capela-mor está sepultado um filho de D. Afonso IV, falecido com um ano de idade.

Pois bem, surgiu agora a teoria que o túmulo é deste menino e não de D. Maria Afonso. Pode ser, mas têm de provar. Em que se fundamentam?

1º Que a arca tumular de D. Maria Afonso não estava na igreja mas no claustro;

2º Que se fosse de D. Maria Afonso, a estátua jacente tinha de estar com o hábito, que era norma.

Para mim estes argumentos não têm valor, sem primeiro provarem que o túmulo não foi mudado. O de D. Dinis foi mudado várias vezes. E depois terão de provar que esta filha do rei foi realmente freira. Sem isso nada fica provado. Até lá, considero que tanto pode ser o túmulo do neto de D. Dinis, como de D. Maria Afonso. Por agora mantém-se a dúvida. Venham as provas. Encontrem os documentos. Só com fontes é que, em História, se fazem afirmações destas. Sem elas, mantém-se o mistério…

Maria Máxima Vaz

________
Proibida a reprodução total ou parcial dos conteúdos apresentados, sem licença do autor.


Os conteúdos publicados são da exclusiva responsabilidade dos seus Autores. As opiniões expressas em cada artigo vinculam apenas os respectivos autores e não traduzem necessariamente a opinião dos demais autores da “NoticiasLX” nem do Diretor ou do seu proprietário. A citação, transcrição ou reprodução dos conteúdos da “NoticiasLX” estão sujeitas ao Código de Direito de Autor e Direitos Conexos. É proibida a reprodução ou compilação de conteúdos para qualquer fim, sem a expressa e prévia autorização da “NoticiasLX” e dos respectivos Autores.