Discurso do representante do CDS-PP na Sessão solene do 30º Aniversário da elevação de Odivelas a Cidade ocorrida a 13.07.2020

Discurso da Sessão Solene do 30º Aniversário da elevação de Odivelas a Cidade

Ex.mo Sr. Representante CM Odivelas, Ex.mo Sr. Presidente JF Odivelas, Ex.mo Sr. Presidente AF Odivelas, Ex.mos Sr.s Representantes dos Partidos Políticos na AF Odivelas

Aproveito antes de mais para endereçar votos que a situação epidemiológica em Odivelas tenha evoluído de forma “muito positiva” (tal como referido recentemente pelo Sr.Presidente CM Odivelas) podendo contar já a partir do próximo dia 15 de Julho com a declaração do estado de alerta nas 4 freguesias do Município de Odivelas em vez da renovação da declaração do estado de calamidade, bem como com a remoção das normas de conduta cívica impostas pela Resolução do Conselho de Ministros N.º51-A/2020, de 26 de Junho, designadamente o dever de recolhimento domiciliário. Acreditando nas palavras do Sr.Presidente CM Odivelas e no resultado que se espera também ele “muito positivo” da reunião havida hoje entre os Autarcas dos 5 Municípios mais afectados do País pela Pandemia- todos eles na AML e onde se inclui Odivelas- e a Sr.ª Ministra da Presidência, a Sr.ª Ministra da Saúde e o Sr. Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, na qualidade de Coordenador da RLVT para a gestão da Covid-19.

Mas a razão que hoje nos reúne nesta Sessão solene simbólica (e minimalista como o próprio Presidente JF Odivelas a apelidou- o que não faz de todo esquecer que Odivelas é uma das 19 freguesias do País mais afectadas pela Pandemia e a mais afectada em todo o Município- apesar disso é claramente outra. Hoje, 13 de Julho 2020 celebramos 30 anos da elevação de Odivelas a Cidade, e nem mesmo um vírus invisível que entrou inadvertidamente na casa de dezenas de milhares de portugueses e que vitimizou mortalmente mais de meio milhar de compatriotas (mais precisamente 1662) nos pode fazer esquecer a importância de celebrar Odivelas- apesar das condicionantes e dos circunstancialismos do momento- enquanto coração pulsante do nosso Município. Odivelas é a 2ª maior freguesia do País em número absoluto de habitantes e o coração pulsante do nosso Município. Na altura de maiores crises impera a necessidade de procurar referências históricas, e nós em Odivelas temos várias que nos podem inspirar e fazer reflectir sobre a forma como em tempos idos os nossos antepassados ultrapassaram as crises da época. Falo-vos do caso de Dona Luísa Maria Simoa de Moura (freira que deu o nome ao Claustro da Moura no Mosteiro de Odivelas), Dona Filipa de Lencastre (que foi sepultada no antecipo do Mosteiro até ser trasladada para Alcobaça), de Rei Dom João I (que quis o seu corpo velado durante uma noite da Igreja do Mosteiro de Odivelas por todos os Comendadores da Ordem de Cristo), da Infanta Dona Filipa de Lencastre (que está sepultada na sacristia da Igreja do Mosteiro de Odivelas), de Almeida Garett (que se inspirou em Odivelas para a sua obra poética “Lírica do João Mínimo” e claro do nosso eterno Rei Dom Dinis, que jaz nas serenamente na Capela lateral do Mosteiro de Odivelas, onde quis ficar sepultado, fazendo-nos recordar para toda a eternidade a suprema honra para todos os odivelenses que é ter na sua freguesia em eterno descanso um Rei-Administrador e legislador que ordenou um dos primeiros códigos portugueses contra a extorsão das classes mais baixas pela Aristocracia da época. Foi aliás este a par do combate pela Literacia, pela Cultura e pelo Ensino, que levou à fundação do primeiro Estudo Geral (Curso Superior) que mais tarde em 1308 se viria a transferir para Coimbra dando lugar à primeira Universidade portuguesa, o combate da própria vida de El- Rei Dinis, o qual os Odivelenses nunca esquecem vendo nele o exemplo absoluto de Administrador do território.

Posto isto, resta-me recordar que os nossos antepassados que muito nos honram não exigem menos do presente e daquilo que projectamos ou ambicionamos concretizar no futuro do que aquilo que nos ofereceram abnegadamente durante os últimos séculos. A nossa herança político-partidária é pesada em Odivelas, pelo que não podemos comprometer o nosso futuro autónomo esquecendo o nosso legado histórico. O legado Intergeracional que nos foi deixado não pode ser desvalorizado em detrimento das gerações futuras, dos mais jovens e até das gerações vindouras, sob pena de deixarmos menos aos nossos sucessores do que que aquilo que herdámos dos nossos antecessores. Por isso, é preciso que Odivelas consiga renascer com a nova vida do Mosteiro de São Dinis e São Bernardo e que esse Monumento Nacional- através da instalação de uma residência universitária (uma das Cinco Propostas do CDS Odivelas para o Mosteiro implementada pela CM Odivelas)- se torne num pólo congregador também inter- geracional, através da implementação de outras Propostas como o Novo Lar/Centro de Dia das AAAIO- Associação das Antigas Alunas do IO, no Mosteiro de Odivelas, unindo presente e passado num só espaço, dando futuro ao Ex Libris da Cidade de Odivelas mas sem esquecer o seu papel na história de Odivelas e de Portugal. Não esquecemos que para este revigoramento ser completo é preciso dar uma nova à zona velha de Odivelas, o que passa também pela nova vida da famosa “Quinta do Espírito Santo”- onde outrora esteve sediado justamente o Lar das AAAIO- a qual julgamos que após reabilitação integral no valor de €1,8 Milhões deste Monumento de interesse municipal, o mesmo deveria estar ao serviços dos mais jovens que continuam financeiramente impossibilitados de arrendar imóveis em Odivelas- devido ao preço proibitivo do arrendamento para jovens em início de carreira profissional- motivo pelo qual propomos que o destino do referido imóvel passe pela Habitação Jovem a rendas acessíveis para jovens até aos 35 anos de idade, com vista a colmatar esta evidente falha municipal ao nível de oferta de Habitação Jovem. Odivelas precisa desta nova vida, as famílias precisam de se poder voltar a reunir-se em Odivelas- mais velhos e mais jovens num só Concelho onde há lugar para todos- e o Comércio Local de Odivelas precisa deste impulso mais do que nunca!

Parabéns à Cidade de Odivelas pelo seu 30º Aniversário.

Viva Odivelas e viva sempre, mas sempre, Portugal!

Odivelas, 13 de Julho de 2020

João Pedro Galhofo

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial
RSS
Facebook
Twitter
YouTube