Renascimento da Guarda Florestal fundamental para combater e investigar incêndios

O Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, afirmou que o renascimento da Guarda Florestal «é fundamental na dimensão preventiva, na dimensão pedagógica e também na investigação das causas dos incêndios» para que possa ser desenvolvido um melhor trabalho.
Em Cernache do Bonjardim, Sertã, na cerimónia que assinalou o ingresso de 155 novos guardas florestais e que também contou com a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, o Ministro referiu que a experiência com os incêndios de 2017 fez com que o renascimento desta força fosse uma «aposta estratégica».
«A Guarda Florestal é herdeira de uma tradição antiga dos mestres florestais, dos guarda-rios, de uma ligação muito estreita à atividade agrícola e à atividade florestal», afirmou o Ministro, que sublinhou que já estão a ser selecionados mais 50 elementos para juntar aos 434 que compõem o efetivo atual.
Eduardo Cabrita fez ainda um balanço provisório positivo dos incêndios, realçando que, pela terceira vez o País regista «cerca de metade das ocorrências que existiram nos últimos 20 anos» e que em 2020 «o número de ocorrências é cerca de 47% a menos que a média dos últimos 10 anos».
Os 155 novos guardas florestais são resultado do primeiro Curso de Guardas Florestais da Guarda Nacional Republicana em 16 anos.

Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial
RSS
Facebook
Twitter
YouTube