More
    InícioOpiniaoColunistaCidadania e Civismo…

    Cidadania e Civismo…

    Publicado

    Pub

    spot_img

    John Fitzgerald Kennedy, a 20 de Janeiro de 1961, no discurso de tomada de posse como Presidente dos Estados Unidos da América, proferiu uma das suas mais conhecidas afirmações. Dizia ele, «Não perguntes o que o teu país pode fazer por ti. Pergunta o que tu podes fazer por ele.»

    Paulo Aido, escritor, jornalista e ex-Vereador em Odivelas, costuma afirmar que «todos nós somos chamados a transformar o metro quadrado que temos sob a nossa influência, para assim mudarmos o mundo».

    A cidadania é a prática de direitos e deveres de um indivíduo que o vincula a um Estado, através de um determinado estatuto jurídico-político. Os direitos e deveres de um cidadão devem andar sempre juntos, sendo para tal necessário que cada indivíduo seja uma pessoa responsável, autónoma, solidária, que conhece e exerce os seus direitos e deveres em diálogo e no respeito pelos outros, com espírito democrático, pluralista, crítico e criativo, tendo como referência os valores maiores que são os direitos humanos.

    Enquanto a cidadania nos remete para um conjunto de princípios que nos enquadram enquanto membros de uma comunidade, o civismo transporta-nos para a praxis, para o plano das atitudes e comportamentos que desenvolvemos, visando a harmonia e a melhoria do bem-estar comum.

    Assim, a cidadania implica uma escolha de modelos de estar e o civismo a forma como tal operacionalizamos.

    Espera-se que a cidadania, associada ao civismo, não se reduza ao mero exercício do poder de voto, ao mero pagamento de contribuições e impostos, ao mero acatamento de ordens e decisões judiciais e/ou administrativas. Há mais, muito mais.

    Quem abrace a condição de cidadão com práticas de civismo tem de considerar que passou a agir num severo e austero plano ético, onde a sua condição de exigência para com as instituições, os agentes destas e a justeza das normas e suas aplicações tem de obrigatoriamente ser precedida de uma revisão exigente e introspectiva dos posicionamentos, mas, acima de tudo, das acções pessoais.

    Adaptando o pensamento de John Kennedy, apelo a erigirmos um novo estandarte assente num novo paradigma, numa nova maneira de estar, que se resume à afirmação:

    «Não perguntes o que a tua cidade pode fazer por ti. Pergunta o que tu podes fazer por ela.»

    Este é o mote das reflexões que doravante aqui partilharei.

    – Paulo Bernardo e Sousa, Politólogo

    Últimos Artigos

    Vacinação para a gripe sazonal e para a COVID-19 já arrancou

    Arrancou na sexta-feira, 29 de setembro, a campanha de vacinação sazonal contra a gripe...

    TAP – Governo dá início ao processo de reprivatização

    Foi aprovado em Conselho de Ministros o Decreto-Lei que inicia o processo de reprivatização...

    Coluna Vertebral!

    Recente “flic, flac” político registado em território insular, honrando a sabedoria popular portuguesa, em...

    A destruição do SNS por parte do governo socialista de António Costa

    O Serviço Nacional de Saúde (SNS) não está atualmente a garantir o acesso de...

    Relacionados

    Caso de Estudo – Democracia

    Caso de Estudo – Democracia