SEMANÁRIO

More
    InícioREGIONALOdivelasPCP vota contra e BE e PAN abstêm-se em Voto de condenação...

    PCP vota contra e BE e PAN abstêm-se em Voto de condenação pelos 2 anos da guerra na Ucrânia e de pesar pelas mais de 10.500 mortes resultantes dessa guerra

    Publicado

    O Deputado Municipal de Odivelas João Pedro Galhofo apresentou na 1ª Sessão Ordinária da Assembleia Municipal de Odivelas do Ano 2024 de 29 de Fevereiro um Voto de de condenação pela manutenção da guerra na Ucrânia após 2 Anos da invasão da ditadura da Federação Russa chefiada por Vladimir Putin iniciada a 24 de Fevereiro de 2022, ultrapassando já um ano de conflito armado e para a qual não se antevê fim, a qual acarreta um genocídio massivo do Povo ucraniano com vista a apagar a história de um País livre, soberano e independente, e aprovar um Voto de pesar pelas vítimas mortais desta guerra que soma já mais de 10.500 mortes em dois anos do conflito, cumprindo um minuto de silêncio em memória das vítimas em solidariedade com as famílias ucranianas.

    O referido Voto de condenação da guerra na Ucrânia passado um Ano do seu início a 24.02.202 foi aprovado com o voto favorável de todos os Partidos com assento na Assembleia Municipal, à excepção da CDU que rejeitou participar na votação abandonando subitamente a sala no momento da votação, do BE que votou liminarmente contra o sentido do voto de condenação da guerra e do PAN que inexplicavelmente se absteve quanto ao sentido de voto sobre a guerra. No próprio texto do documento, o Voto de condenação aprovado pela maioria dos Deputados Municipais na AM Odivelas fundamentava a sua apresentação com o facto de ultrapassados 730 dias do início desta invasão a território soberano perpetuada pela Federação Russa contra todas as normas de Direito Internacional, o relatório do Alto-Comissariado da ONU para os Direitos Humanos revelou dados segundo o qual morreram até ao momento mais de 10.500 pessoas (podendo o número real de vítimas mortais ser consideravelmente maior) e registaram-se 30.457 feridos civis. Dos números mencionados, 587 mortes foram de crianças e 1.298 feridos civis são crianças. Os dados oficiais do relatório da HRMMU- Missão de Monitorização dos Direitos Humanos da ONU na Ucrânia revelam que o número de vítimas civis foi particularmente elevado nos primeiros meses do conflito, com 4.289 mortos (e mais de 3 mil feridos) em Março de 2022, 840 vítimas mortais em Abril, e 586 em Maio, os três meses mais mortíferos para a população civil. Na primeira quinzena do corrente mês de Fevereiro, foramconfirmados 77 mortes de civis e 169 feridos. – Existem mais de 10 milhões de refugiados ucranianos que foram forçados a abandonar as suas casas desde o início da invasão total da Ucrânia pela Rússia. Destes, mais de 6,4 milhões são refugiados em países da União Europeia. Os principais países de acolhimento na Europa são a Alemanha (1,1 milhões), a Polónia (957.000) e a República Checa (376.000). O número total de refugiados ucranianos aumentou 5% entre o final de 2022 (5,7 milhões) e o final de 2023, deacordo com o ACNUR- Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.

    O Deputado Municipal de Odivelas João Pedro Galhofo considera que a aprovação do Voto de condenação pela manutenção da invasão à Ucrânia pela Rússia e Voto de pesar pelos 105000 mortes ucranianas vítimas da guerra por PS, PSD, CDS, IL, CH na AM Odivelas representa a vitória das democracias ocidentais sobre aqueles que representam ditaduras soviéticas às mãos dos quais morrem diariamente civis opositores desses regimes pró- comunistas. Não espanta o agora voto contra do PCP Odivelas, após a condenação do primeiro ano da guerra na Ucrânia na AM Odivelas o PCP ter abandonado a sala, até porque este Partido que nunca aceitou a invasão russa ao território ucraniano como um atentado ao Direito internacional de um Estado contra um outro, aceitando cegamente ainda hoje as instruções de Moscovo de que o Ato de Guerra que todos presenciamos se trata de uma “Operação militar especial”, nos termos do Presidente Vladimir Putin. Também não espanta a abstenção do BE Odivelas nesta matéria, um Partido que visa ser mais comunista do que os próprios comunistas, e que na atualidade pretende instaurar internamente uma ditadura de pensamento único ao estilo lenista- trotkista. E da mesma forma, não espanta a abstenção da PAN Odivelas, um Partido moribundo e sem voz representativa na AM Odivelas, que sendo radical sempre quis passar por moderado segundo os padrões do politicamente correto que usa para si próprio, mas quando é pressionado a escolher a parte certa da história- a das Democracias ocidentais- se revela e escolhe invariavelmente o radicalismo dos mais puros correligionários de extrema- esquerda, pois já muito pouco ou nada os separa do BE de outros tempos. Espero, sinceramente, que no próximo dia 10 de Março a força das Democracias liberais se imponha definitivamente face a Partidos que defendem regimes totalitários, de pensamento único e tenebrosos como o regime comunista de Vladimir Putin, que tortura e aniquila quaisquer opositores políticos, deixando-os em agonia até à morte em prisões na Sibéria!”

    Nota de Imprensa

    Odivelas, 01 de Março de 2024

    João Pedro Galhofo

    Deputado Municipal de Odivelas pelo CDS

    cds odivelas 800X450

    Últimos Artigos

    João Calado novo Presidente do Rotary Club de Loures 2024-25

    João Calado novo Presidente do Rotary Club de Loures 2024-25 Foi uma noite de grandes...

    PCP Odivelas chumba Congratulação do Dia D

    PCP Odivelas chumba Congratulação do Dia D que levou ao início do fim da...

    Almada Metro Ligeiro até à Costa e Trafaria 2024

    Almada Metro Ligeiro até à Costa Comunicado de Imprensa. O Metro vai chegar à Costa e...

    Loures PRR Habitação – 2024, O Garantido, O Perdido e o Prometido pelo Governo

    Loures PRR Habitação De acordo com a intervenção da vice-Presidente da CM Loures, Sónia Paixão,...

    Relacionados

    “As long as it takes” 2024

    As long as it takes «É necessário deixar, de uma vez por todas, muito claro...

    UNIÃO EUROPEIA – QUO VADIS?

    A “construção” europeia, tem tido um percurso ao sabor de circunstâncias, geográfica e diplomáticas,...

    ARMAGEDÃO EUROPEU ?

    O cenário mais tenebroso que se oferece no momento é claramente a guerra entre...